China pode interromper exportações de fertilizantes

As exportações de fertilizantes da China podem ser interrompidas a pedido da comissão reguladora...

As exportações de fertilizantes da China podem ser interrompidas a pedido da comissão reguladora do país, ou NDRC (National Development and Reform Comission) na sigla em inglês,  com o objetivo de proteger o mercado interno. O mercado especula tais medidas desde junho, as quais poderiam impactar durante o fornecimento de fosfatados e nitrogenados. 

Todavia, as mudanças ainda não foram oficializadas pelo governo chinês ou aplicadadas as condições que pudessem ser impostas pela NDRC. “As últimas notícias confirmaram que o departamento solicitou a algumas empresas da região de Yangtze e Hubei a suspensão das exportações até 30 de junho de 2022”, explica o analista de fertilizantes da Agrinvest Commodities, Jeferson Souza. 

E embora ainda não tenha sido completamente oficializada, Souza alerta para os impactos que podem ser sentidos nos próximos dias. “As medidas podem impactar mais severamente nos preços no decorrer das semanas. Mas é importante reforçarmos que ainda não foram confirmadas pelo departamento. No entanto, já se pode ver mais pressão nos preços do fertilizante para o mundo inteiro. 

Em sua conta no Twitter, o diretor de fertilizantes da INTL FCStone, Josh Linville, informou que “o governo chinês efetivamente baniu as exportações de fosfato até junho de 2022”. E explica que a nação asiática responde por cerca de 30% de todo o comércio mundial do produto. “Isso é ruim para os preços globais do fosafato e pior ainda para aqueles que dependem desse fornecedor. Temos que monitorar ações similares na ureia”.

As mudanças que podem vir do gigante asiático somente se somam aos problemas e preocupações que se acumulam  no mercado de fertilizantes e, inclusive, intensificam as preocupações dos produtores rurais no mundo total não só para novas altas nos custos de produção, como também para disrupções no abastecimento de uma série de produtos para a safra 2022/23. 

“Hoje estou indo em todas as nossas propriedades para orientar que se use o mínimo possível de glifosato. Não temos perspectivas 2022, 2023 de como fica o mercado. Os grandes fornecedores estão com problemas, como a China. Com a gestão de diminuição de emissão de gases de efeito estufa, sustentabilidade, isso tem causado um enorme transtorno na gestão de produção”, explica Inácio Modesto Filho, diretor de produção do Grupo Bom Futuro. 

Com isso, “temos que fazer o dever de casa, usar o mínimo possível, fazer uma gestão muito bem feita porque diversos produtos para a nova safra podem não estar nas nossas mão disponíveis”, complementa. “A gestão tem que prever um ano do qual não temos segurança”. 

Fonte: noticias agricolas